A deputada estadual Betânia Almeida (PV) sugeriu ao Governo de Roraima que crie uma campanha de conscientização e prevenção à malária. A Indicação nº 91/2021, apresentada pela parlamentar, justifica que a campanha publicitária consiste em alcançar toda a população roraimense, a fim de conscientizar sobre a doença, bem como os meios de prevenção para que a população se sinta segura.

“Dados do Núcleo de Controle da Malária (NCM) mostram que em 2020 foram notificados 25.045 casos de malária em Roraima, o que representa um aumento de 13% em relação ao ano anterior, quando foram notificados 22.128 casos. O município de Alto Alegre registrou a maior incidência de casos de malária com 8.588 casos. Em seguida o Amajari com 3.874, no mesmo período e Bonfim com 445 notificações. Uma situação muito preocupante e precisa ser resolvida”, informou a deputada.

Embora as autoridades estejam focadas na luta contra a pandemia do novo coronavírus, que já vitimou mais de 1.200 pessoas no estado, Betânia acredita na sensibilidade do governador Antônio Denarium em atender ao pedido. 

“A saúde é um direito constitucional. Sabemos que o período é muito delicado por causa da covid-19, mas não podemos esquecer que em Roraima existem outras doenças que podem causar a morte de muitas pessoas se não forem tomadas as devidas providências, como é o caso da malária”, afirmou.

O que é a malária?

A malária é uma doença causada por quatro diferentes tipos de protozoário do gênero Plasmodium. Três deles estão ativos no Brasil e podem transmitir a doença para as pessoas que vivem aqui ou que estão visitando o país.

A transmissão dessa doença acontece de duas formas: por meio da picada de um mosquito que esteja infectado com o protozoário ou por meio do uso incorreto e do compartilhamento de agulhas e instrumentos cortantes.

O mosquito da malária é sempre fêmea e é do gênero Anopheles, bastante comum nos momentos do amanhecer e do entardecer. É ele o responsável por perpetuar o ciclo da doença, transmitindo os protozoários para um hospedeiro humano, que poderá ser picado por um mosquito não infectado que, por sua vez, se tornará um portador de malária para infectar outro indivíduo.

É importante frisar que a malária não é transmitida de um humano para outro, mas sempre por meio de um vetor intermediário, que é o mosquito.

A malária é considerada uma doença tropical, comum nos lugares de clima quente, justamente por ser transmitida por meio da picada dos mosquitos, que se reproduzem com maior facilidade no calor.

Confira na íntegra, as Indicações e Projetos de Lei de autoria da deputada Betânia Almeida (PV):

Ano 2019:
PLs e Indicações
(aqui)

Ano 2020:
PLs (aqui) e
Indicações (aqui)

Ano 2021:
PLs (aqui) e Indicações (aqui)

Por Ascom/DBA